Secretaria da Saúde Portal Sesab SUS - 20 Anos
English Spanish

Últimas Notícias

27 de outubro - Dia Nacional da Luta pelos Direitos das Pessoas com Doença Falciforme

E-mail Imprimir PDF

No último sábado, 27 de outubro, foi celebrado o Dia Nacional da Luta pelos Direitos das Pessoas com Doença Falciforme (DF). A data foi instituída em dezembro de 2009 com o objetivo de ampliar o debate e a visibilidade desta doença, que é uma das mais prevalentes no Brasil.

A doença falciforme caracteriza-se pela alteração das hemácias, que são os glóbulos vermelhos do sangue. Em condições normais, as hemácias possuem um formato arredondado, diferente da apresentação em forma de foice, encontrada nas pessoas com doença falciforme. Essas alterações dificultam a circulação pelos vasos sanguíneos e a chegada de oxigênio aos tecidos, desencadeando uma série de sintomas como dor crônica e infecções.

De ordem genética e hereditária, a identificação precoce da doença é fundamental para orientar as famílias quanto aos cuidados necessários, identificar situações de risco e garantir melhor qualidade de vida ao paciente. Quando descoberta a doença, o paciente deve ter acompanhamento médico adequado, baseado em um programa de atenção integral à saúde.

Em bebês recém-nascidos, o diagnóstico pode ser dado através do “Teste do Pezinho”, feito nos primeiros dias de vida, como recomenda o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN). Entretanto, o exame de eletroforese de hemoglobina é a outra opção para o diagnóstico e pode ser realizado em qualquer idade.

As manifestações clínicas da doença ocorrem já no primeiro ano e se estendem por toda a vida. Apesar de se apresentarem de formas variadas e em diferentes graus de gravidade, pacientes falcêmicos lidam com sintomas que variam entre anemia crônica, icterícia (pele amarelada), inchaços dolorosos nos punhos e tornozelos, úlceras nas pernas, dores nos ossos, músculos e articulações.

Estima-se que de 25 a 50 mil pessoas tenham a DF no Brasil, tendo a maior taxa de incidência do país na Bahia; para cada 650 nascidos vivos, 1 tem a doença, e, para cada 17 nascidos vivos, 1 apresenta o traço da doença.

Na Bahia

A Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) é referência para tratamento das pessoas com doença falciforme e responsável também pela assistência transfusional e farmacêutica, incluindo a dispensação de medicamentos de alto custo, como Hidroxiureia e Deferasirox. Os atendimentos são realizados por hematologistas pediátricos e adultos, equipe de enfermagem, fisioterapeutas, odontologistas, psicólogos e assistentes sociais.

A instituição realiza, ainda, Doppler transcraniano e curativos para úlceras maleolares. O ambulatório da Hemoba possui aproximadamente 4.800 pacientes cadastrados com a doença falciforme e realiza cerca de 400 transfusões de sangue mensalmente.

 

Ascom/Hemoba